Confissões Maternas
Arqveofeminismo: Mulheres Fisósofas e Filósofos Feministas Sécvlos XvII-XvII

Escrever Sem Escrever

R$ 42,00
  • Associado: R$ 35,70
Relicário
9788566786873
5 Itens
EM ESTOQUE

Quando falamos em música falamos em remix e DJ. Quando falamos em audiovisual, falamos em montagem e mash-up. Para a arte contemporânea, o crítico Nicolas Bourriaud forjou o termo pós-produção, que aponta a tendência atual de obras que não são criações originais mas reciclagens ou reproposições de obras anteriores ou objetos pré-existentes. Em comum a esses campos e situações, os gestos de apropriação e deslocamento, consagrados pelos ready-mades de Marcel Duchamp e por outros artistas da vanguarda. Entretanto, no ambiente tecnológico contemporâneo, com seus estímulos e ferramentas específicos, a apropriação e o deslocamento adquirem novas facetas. A pergunta da qual esse livro parte é: de que maneira a escrita e a literatura se inserem e participam desse novo contexto. Copiar e colar. Seleção e edição. Gravação e transcrição. Cut-up, apagamento, supressão. Pirataria. Buscas no Google. Plágio, cópia, imitação. Como o ato da citação e a cultura remix dialogam. Em que medida o escritor contemporâneo pode ser pensado como um artista conceitual ou um curador de textos alheios. Quais são as consequências para as práticas de leitura e para a ideia de autoria. A partir das noções de escrita não-criativa, de Kenneth Goldsmith, gênio não-original, de Marjorie Perloff, e do Manifesto da literatura sampler, de Fred Coelho e Mauro Gaspar, Leonardo Villa-Forte estuda obras recentes de escritores, artistas e poetas brasileiros e estrangeiros, para pensar a escrita diante, ou melhor, dentro desse ambiente em transformação.

Quantidade

Frete e Prazo

Imprimir
  • Política de segurança
    Política de segurança

    Site seguro. Tecnologia Pagar.Me. Aceitamos PIX, Boleto e Cartões de crédito.

  • Política de entrega
    Política de entrega

    Entregamos em todo o Brasil. Frete de acordo com a região.

  • Política de devoluções
    Política de devoluções

    Envios em até 2 dias após o recebimento do pagamento, via Correios ou Transportadora, com rastreio.

Quando falamos em música falamos em remix e DJ. Quando falamos em audiovisual, falamos em montagem e mash-up. Para a arte contemporânea, o crítico Nicolas Bourriaud forjou o termo pós-produção, que aponta a tendência atual de obras que não são criações originais mas reciclagens ou reproposições de obras anteriores ou objetos pré-existentes. Em comum a esses campos e situações, os gestos de apropriação e deslocamento, consagrados pelos ready-mades de Marcel Duchamp e por outros artistas da vanguarda. Entretanto, no ambiente tecnológico contemporâneo, com seus estímulos e ferramentas específicos, a apropriação e o deslocamento adquirem novas facetas. A pergunta da qual esse livro parte é: de que maneira a escrita e a literatura se inserem e participam desse novo contexto. Copiar e colar. Seleção e edição. Gravação e transcrição. Cut-up, apagamento, supressão. Pirataria. Buscas no Google. Plágio, cópia, imitação. Como o ato da citação e a cultura remix dialogam. Em que medida o escritor contemporâneo pode ser pensado como um artista conceitual ou um curador de textos alheios. Quais são as consequências para as práticas de leitura e para a ideia de autoria. A partir das noções de escrita não-criativa, de Kenneth Goldsmith, gênio não-original, de Marjorie Perloff, e do Manifesto da literatura sampler, de Fred Coelho e Mauro Gaspar, Leonardo Villa-Forte estuda obras recentes de escritores, artistas e poetas brasileiros e estrangeiros, para pensar a escrita diante, ou melhor, dentro desse ambiente em transformação.

9788566786873
5 Itens

Ficha Técnica

Autor
Leonardo Villa-Forte
Ano
2019
País
BRASIL
Idioma
Português
Páginas
224
Altura (cm)
21
Largura (cm)
14
Profundidade (cm)
0,11
Peso (g)
300
Co-edição
Não tem
ISBN
9788566786873

Sem comentários até o momento

Você precisa estar logado para avaliar